Rodovia MS 178, Bonito/Bodoquena, Km 11

+055 (67) 3255-3710

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon
CACHOEIRAS

Em nosso atrativo você conhece 07 cachoeiras inesquecíveis.

CACHOEIRA
DO MULUNGU

A primeira cachoeira tem nome de planta típica do Cerrado e da Caatinga da América do Sul, Mulungu. Conhecida por possuir propriedades calmantes e medicinais, as flores vermelhas são usadas para fazer chá e combater ansiedade, depressão, reumatismo e até para quem quer parar de fumar. 

Cachoeira de pequeno porte com várias piscinas naturais e hidromassagens perfeitas para banho. A profundidade varia de 1 a 2 metros. Deque de madeira e escada para descer até a água esverdeada e cristalina do Mimoso.

CACHOEIRA
DA GRUTA

A segunda cachoeira está localizada no que chamamos de braço, do Rio Mimoso. Mais um charme exuberante. Uma piscina natural com profundidade de 2 metros, ótimo para nadar e fotografar. Leva o nome de Gruta pelas cavidades rochosas, antigas cachoeiras onde o rio teve sua mudança natural de fluxo. Na queda d’água, podemos observar o crescimento da cachoeira com folhas e galhos das árvores que pararam ali, e ajudaram no crescimento, de 2 a 3 milímetros por ano. 

É possível nadar tranquilamente, não há pedras. Não é permitido subir ou escalar a cachoeira.

CACHOEIRA
DO SOL

A cachoeira do Sol ganhou este nome porque está localizada em um ponto onde pega sol o dia inteiro. É uma das cachoeiras mais altas da trilha, com aproximadamente 4 metros de altura e, na água, 7 metros de profundidade. Tem uma corda do deque que liga atrás da queda d’água. 

No período da seca, a água chega a ficar extremamente cristalina. A incidência do raio do sol tem uma refração que reflete na cachoeira dando um visual lindo, diferente.

CACHOEIRA
DO AMOR

A cachoeira do amor tem um encanto especial. É a mais alta da trilha. Tem esse nome por conta de um casal que se conheceu fazendo o passeio, namoraram e vieram casar na cachoeira. 

 

Com uma queda de 7 a 8 metros, na água profundidade de 1 a 2 metros onde podemos observar os peixes da região como Piraputangas, Curimbatás, Piauçus, Dourados e outros.

CACHOEIRA DO
SINHOZINHO

Sinhozinho, conhecido como um grande curandeiro, fazia milagres por volta da década de 40, na região de Bonito. Curava doenças graves naquela época. Famílias tradicionais da cidade testemunharam esses milagres. Também foi chamado de São Francisco de Assis por curar doenças nos animais e, também, dizem que ovelhas e pássaros os seguiam.  
Sinhozinho foi perseguido por farmacêuticos da época e muitas vezes preso, mas sempre conseguia escapar misteriosamente. Até que foi morto, esquartejado. Cada parte do corpo dele teria sido jogada nos rios de Bonito.

CACHOEIRA
DA FIGUEIRA

A cachoeira da Figueira leva esse nome devido as centenas de Figueiras ao redor. As árvores têm frutos que servem de alimento para macacos, pássaros e peixes. 

Essa cachoeira é a mais rasa entre todas, sendo a mais indicada para todas as idades.  Nas décadas de 1940 e 50, essa cachoeira era parada para carros de bois que passavam pela região sentido Miranda e Corumbá. Uma profundidade de meio a 1 metro de profundidade.

CACHOEIRAS
DO SALTO

Para quem gosta de emoção e adrenalina, a Cachoeira do Salto oferece uma plataforma para o visitante saltar na água, em uma altura de 7 metros. Só é liberado fazer o salto em pé, com os braços juntos ao corpo, numa profundidade de 5 metros.
Quem preferir pode apenas entrar na água e nadar até a cachoeira. Tem pedras que dão pé para fazer uma excelente massagem relaxante na queda d’água.

  • Orientações:

- O uso do colete salva-vidas não é obrigatório, mas pode ser sugerido pelo guia;

- Idade mínima 12 anos;

- Cuidado e atenção nas escadas de acesso;

- Não nos responsabilizamos por objetos pessoais perdidos durante o salto;

- Siga as instruções do guia antes do salto;

  • Restrições:

- Gestantes;

- Crianças com idade abaixo de 12 anos;

- Embriaguez;

- Mais de uma pessoa durante o salto;

- É permitido apenas uma pessoa na plataforma durante o salto. Aguarde sua vez no deque de acesso.